imagem google

Curso de capacitação de inventário de Gases de Efeito Estufa tem segunda edição

Ferramenta do GHG Protocol auxilia empresas na construção da política climática do país

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), realizou em 18 e 19 de maio a capacitação para elaboração de inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE).

O curso foi ministrado pela equipe do Centro de Sustentabilidade da FGV (GVces) e voltado a empresas. Trata-se de uma forma de as organizações colaborarem na minimização dos impactos globais das mudanças do clima.

O objetivo principal do curso se concentrou na elaboração de inventários corporativos e suas diretrizes de acordo com as especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol. As regulamentações existentes em São Paulo, sobre emissões, utilizam o GHG como metodologia.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544514309

Ferramenta do GHG Protocol auxilia empresas na construção da política climática do país. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O inventário corporativo também é uma ferramenta de apoio para a tomada de decisão em uma economia de baixo carbono e oferece oportunidade de novos negócios para as empresas. Sua implementação traz melhorias internas como redução de emissões, economia de recursos, otimização de processos e aumento de eficiência.

Durante o treinamento, representantes do Programa Brasileiro apresentaram os princípios de contabilização e elaboração de inventários, além de seus limites organizacionais e operacionais. A parte prática se concentrou na apresentação da ferramenta de cálculo, além de exercícios, relato das emissões e como fazer o registro público.

A especialista da área de mudança do clima da Cetesb, Josilene Ferrer, esclareceu dúvidas sobre a Decisão de Diretoria n. 254/2012, que trata dos critérios de elaboração do inventário de emissões de GEE no Estado de São Paulo e dos 27 setores que obrigatoriamente devem reportar as suas emissões.

Ferrer frisou que a ferramenta GHG está em harmonia com o ISO 14.064, padrão internacional atrelado à Gestão de GEE, que se baseia nos seguintes princípios: relevância, integridade, consistência, transparência e exatidão. O objetivo é internalizar a cultura de monitoramento e auxiliar a construir uma política climática no país, segundo a participante.

Os inventários devem ser entregues à Cetesb em meados do segundo semestre deste ano, os obrigatórios e os espontâneos.