Conheça os vencedores do 10º Prêmio Fiesp Conservação e Reúso de Água 2015

Prêmio alcança sua 10ª edição com histórico de boas práticas e soluções inovadoras

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

O Prêmio Fiesp Conservação e Reuso de Água apresentou, ao longo de 10 anos, 162 projetos por mais de 100 empresas de diversos segmentos e portes. Juntos, esses projetos geraram uma economia superior a 95 milhões de metros cúbicos de água por ano, com investimentos superiores a R$ 490 milhões. Até o ano passado, os 69 finalistas pouparam uma média de 15 milhões de metros cúbicos de água por ano, o equivalente a 4,5 mil piscinas olímpicas.

“O prêmio é um incentivo. E a indústria cumpre o seu papel de uma forma brilhante, ou seja, está sempre na frente de qualquer situação porque ela sabe muito bem as suas necessidades”, diz  Paulo Roberto Dallari Soares, diretor de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A iniciativa da Fiesp homenageia empresas que adotam medidas efetivas na redução do consumo e do desperdício de água, gerando benefícios ambientais, econômicos e sociais.

Conheça os vencedores da 10ª edição do Prêmio Conservação e Reuso da Água:

Categoria Médio e Grande Porte

A CRS Brands Indústria de Bebidas, em Jundiaí, interior de São Paulo, venceu o primeiro lugar na categoria Médio e Grande Porte com o projeto Uso sustentável da água na indústria de bebidas.

O objetivo do programa é diminuir o consumo de água por litro de bebida produzida, reduzindo consequentemente a captação de água superficial do Rio Jundiaí-Mirim, que abastece a unidade de Jundiaí.

A CRS Brands iniciou o projeto em 2010 com programas de monitoramento de consumo da água, modificações no processo, sistema mais eficiente de enxágue de garrafas e uso de água pluvial.

“Começamos com um projeto de ter um departamento específico de meio ambiente dentro da empresa onde poderia focar tanto na redução de água, como energia, desperdícios, redução dos resíduos sólidos. E desde esse período a gente vem trabalhando com diversos projetos”, diz Luciana Lopes, coordenadora de qualidade e meio ambiente da empresa.

Em 2014, outros dois projetos foram implementados trazendo ainda mais ganho no consumo de água da empresa. Um foi o de reaproveitamento da água da bomba de vácuo da enchedora para abastecer o sistema de lubrificação das esteiras de garrafas. E a outra iniciativa foi recuperar a água de retrolavagem dos filtros e tanques de fabricação de água desmineralizada. O objetivo da companhia é reduzir um total de 40% do consumo de água tratada em relação a 2010.

“Obtivemos resultados bem interessantes tanto financeiros para a empresa como também na área ambiental, ainda mais nessa época de escassez de água”, acrescenta Luciana.

Representante da CRS Brands Indústria de Bebidas recebe o Prêmio Fiesp Reúso da Água. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Categoria Micro e Pequeno Porte

Na categoria Micro e Pequeno Porte, a Metalúrgica Inca implantou em 2014 uma nova linha de zincagem, processo para proteger o aço da corrosão atmosférica, com objetivo de economizar até 70% o consumo de água em comparação ao processo usado anteriormente, de zincagem manual.

“Independente do prêmio, a nossa intenção é colher frutos do trabalho de reúso da água dentro da empresa. É uma satisfação muito grande poder manter esse programa que enxerga essa necessidade tão crítica nos dias atuais”, afirma Luís Américo Dal Bello, gerente industrial da metalúrgica.

Segundo a empresa, na troca de compostos químicos como o desengraxante, a economia de água foi de 50%, uma vez que na zincagem manual a troca era semanal e no processo automático, a troca acontece a cada 15 dias.

Na operação de enxágue, a economia foi de 62% por conta de um sistema interligado dos tanques que permite apenas uma troca. E no processo de banhada a economia chegou a 59%, já que o controle do escoamento é automatizado.

 

Representante da Metalúrgica Inca recebe Prêmio Reúso da Água para categoria micro e pequena empresa. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Menções Honrosas

O projeto Estação Produtora de Água de Reúso da Sanasa, companhia de abastecimento de água e saneamento básico de Campinas, recebeu uma menção honrosa na noite desta terça-feira (24/3).

A companhia está implantando a Estação de Produção de Água de Reuso (EPAR Capivari II) para reúso da água. A distribuição da água reutilizada começou em fevereiro de 2014 inicialmente para a própria empresa e para a Prefeitura Municipal.  As obras de ampliação do Aeroporto de Campinas também recebem essa água para atividades de construção civil, como compactação do solo, terraplenagem e drenagem do imóvel.

O valor da água potável da Sanasa é cerca de R$ 11,90 por metro cúbico e o valor da água de reúso corresponde a R$ 1,40 por metro cúbico. Em fevereiro de 2014, a Sanasa e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) assinaram um termo de associação, no qual a água de reúso passou a ser disponibilizada para as indústrias a um custo mais baixo em relação a água potável.

A unidade de Pindamonhangaba da Novelis América do Sul, também recebeu menção honrosa pelo Projeto Redução do Consumo Específico de Água. A iniciativa identifica oportunidades de gerenciamento de água mais eficaz.

A instalação no interior de São Paulo utiliza como fonte de água a captação subterrânea. O projeto teve como o objetivo reduzir em 2% o consumo específico de água em 2014 em relação ao ano anterior. A expectativa da companhia é reduzir em 25% até 2020.

Segundo a Sanasa, as ações trouxeram ganhos financeiros de US$ 63,470 no ano passado.

Menção honrosa também para a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) que readequou a estratégia de uso dos recursos hídricos para processos como laminação, extrusão e tratamento da superfície do alumínio.

A instalação da cidade de Alumínio, interior de São Paulo, conquistou autonomia fabril em meio à escassez de água em São Paulo.  A nova estratégia para os tratamentos do alumínio gerou uma economia de 20 metros cúbicos por hora no volume de captação direta dos mananciais.

A Ambiental MS Projetos, Equipamentos e Sistemas, empresa de soluções ambientais, foi homenageada nesta terça-feira pelo projeto MS ECO 3000 Automática – Estação de Tratamento e Reúso da Água.

A estação foi projetada especialmente para o tratamento e reúso do efluente de lavagem de veículos, com aproveitamento de até 90% da água de lavagem. O projeto resultou na economia de um milhão de litros de água por mês, o equivalente a R$ 100 mil por ano.