Cerca de 65% das indústrias paulistas já praticam o reúso da água, revela Eduardo San Martin - FIESP

Cerca de 65% das indústrias paulistas já praticam o reúso da água, revela Eduardo San Martin

Para diretor de meio ambiente da Fiesp e Ciesp, o Brasil tem papel importante no cenário internacional

Talita Camargo, Agência indusnet Fiesp

“O desenvolvimento das nações está diretamente ligado a uma gestão eficaz da água”, declarou Eduardo San Martin, diretor dos Departamentos de Meio Ambiente (DMA) da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), durante abertura do Seminário Internacional Sobre Reúso da Água, realizado nesta terça-feira (19/03), na sede das entidades.

Seminário Internacional sobre Reúso de Água. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Para San Martin não é possível  pensar em desenvolvimento e na erradicação da miséria, sem pensar na água, o bem natural mais essencial à vida. Ele destacou que, embora o Brasil concentre 12% da água doce do Planeta, essa grande quantidade de água não é distribuída de maneira uniforme no território.

Eduardo San Martin, diretor-titular-adjunto do DMA Fiesp. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O protagonismo do Brasil na questão energética também foi lembrado pelo diretor do DMA: “47% da produção de energia é de fontes renováveis, com destaque para hidroeletricidade, que ocupa quase 80%. Em outros países, a média é de apenas 7%”.

O desafio do saneamento

No que se refere ao abastecimento público, San Martin pontuou que são utilizados 26% das águas superficiais. “Isso mostra que avançamos na oferta de água de boa qualidade, mas apenas 47% dos municípios brasileiros têm rede de esgoto; e desses, menos de 18% efetuam algum tipo de tratamento”.

Segundo ele, embora o Estado de São Paulo apresente números mais favoráveis, na questão de saneamento básico ainda há necessidade de maiores investimentos.

Reúso da água, o exemplo da indústria

A produção industrial utiliza 17% das águas superficiais. No estado de São Paulo, 65% das indústrias já adotam a prática de reúso de água. Esse resultado, segundo o diretor do DMA, se deve ao grande trabalho de conscientização que a  Fiesp tem feito junto às indústrias.

Além dos esforços de ampliar a prática do reúso e reduzir o consumo de água, a Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo têm um contínuo empenho em incentivar e valorizar as práticas de produção mais limpa. Um exemplo é o próprio Seminário Internacional sobre Reúso de Água que está sendo realizado. “Estamos realizando este evento como parte das comemorações do Dia Mundial da Água e, dessa forma, entendemos que seria importante conhecer um pouco daquilo que se faz fora do Brasil”, conclui San Martin.

No encerramento do Seminário acontecerá a entrega do8º Prêmio Fiesp/Ciesp de Conservação e Reúso de Água, iniciativa da Fiesp que tem como propósito o reconhecimento e incentivo das indústrias que voluntariamente adotam medidas sustentáveis. São aproximadamente 20 projetos inscritos que apontam saídas criativas para reduzir o consumo e o desperdício de água, envolvendo benefícios ambientais, sociais e econômicos.

Leia mais: Gestão da água é tema de seminário internacional na Fiesp