imagem google

Brasil está ‘trabalhando muito’ para fechar negociações entre Mercosul e União Europeia

Daniel Godinho apresentou números de 2013 e 2014 da balança comercial para membros do Conselho Superior de Comércio Exterior da Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542424521

Daniel Godinho: “Estamos indo com uma oferta do Mercosul muito próxima ao patamar desejado”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O governo brasileiro está trabalhando intensamente para fechar as negociações de Mercosul com a União Europeia, segundo o secretário de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Daniel Godinho.

Ao participar de reunião do Conselho Superior de Comércio Exterior (Coscex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nesta terça-feira (18/03), ele informou que deve acontecer em Bruxelas uma nova reunião para trocar elementos das ofertas e chegar a um acordo internacional de comércio.

“Ainda não é a troca de ofertas, mas explicaremos o formato da nossa oferta aos europeus e eles explicarão o formato para gente. E aí a expectativa é que seja marcada [uma reunião] finalmente para a troca efetiva das ofertas”, explicou Godinho.

“Estamos indo com uma oferta do Mercosul muito próxima ao patamar desejado”, acrescentou ele no encontro, conduzido por Rubens Barbosa, presidente do conselho. O 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto, também participou da reunião.

Na semana passada, em um artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, Rubens Barbosa afirmou que o país carrega “o fardo do Mercosul, continua isolado, à margem das grandes transformações que estão ocorrendo no comércio internacional e nas negociações que se desenvolvem fora da OMC”.

O secretário do MDIC ponderou, no entanto, que o país “está trabalhando muito” para fechar o acordo.

“Estou dizendo que está tudo ótimo? Que não precisamos conquistar mais mercados, fazer acordos internacionais e não temos que acessar mercados derrubando barreiras? Óbvio que não”, assinalou.

Segundo Godinho, o MDIC também deve encabeçar algumas missões ao exterior em 2014. Uma delas seria um encontro programado para abril com órgãos do governo norte-americano. “Nós levaremos alguns setores brasileiros em que percebemos potencial de rápido crescimento de exportações.”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542424521

De acordo com o secretário de Comércio Exterior do MDIC, expectativa do governo é de recuperação da produção de petróleo para estimular as exportações da commodity e reduzir o déficit da conta-petróleo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Balança comercial

No primeiro bimestre de 2014, as exportações aumentaram 1,4% sobre igual período do ano anterior e registraram um saldo de US$ 32 bilhões, enquanto as importações cresceram 3,6% e chegaram ao valor de US$38,1 bilhões.

Godinho afirmou que a expectativa para este ano é de recuperação da produção de petróleo para estimular as exportações da commodity e reduzir o déficit da conta-petróleo, que chegou a US$20,1 bilhões em 2013.

“Não sabemos ainda precisar em que momento essa melhora virá esse ano, mas esse número de US$ 20 bilhões, nós acreditamos, será reduzido”, ponderou. Outra expectativa, segundo Godinho, é um câmbio mais favorável.

Também presente da reunião, o diretor titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex), Thomaz Zanotto, reiterou, no entanto, que ainda é necessário “persistir num câmbio e não deixá-lo apreciar de novo”.

Mas ele acredita que, a partir de agora, o câmbio vai começar a mostrar seus efeitos na balança.