imagem google

Benjamin Steinbruch: Brasil precisa de uma política para evitar ameaça do desemprego

Presidente da Fiesp aponta os desafios que o país precisa enfrentar para ser mais competitivo e não ficar de fora na expansão global

Agência Indusnet Fiesp

No jornal Folha de São Paulo desta terça-feira (23/09), o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, pontuou os vários fatores em que o Brasil precisa mudar para participar do novo ciclo de crescimento mundial que está se iniciando e sendo puxado pelos Estados Unidos.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542752664“O Brasil pode entrar no barco dessa nova expansão global e, para isso precisa, basicamente, ser mais competitivo”, avaliou o empresário. Segundo ele, isso vale para todos os setores, mas destacou que, para a indústria, sem nenhuma dúvida, a palavra-chave é “competitividade”.

O presidente da Fiesp disse ainda que, ao se investigar as origens das desvantagens que o Brasil vive, fica clara a existência de dois problemas básicos: “elevado Custo Brasil” e “valorização do real”.

Benjamim também se referiu aos problemas que tiram o Brasil da competição nos mercados globais, problemas esses que precisarão de correção urgente, se o país quiser entrar na onda de crescimento mundial. Para tanto, segundo ele, o País precisará: reduzir impostos e burocracia; cortar taxas de juros e aumentar o crédito; cuidar da infraestrutura logística; e ajustar rapidamente a taxa de câmbio.

Dificilmente alguém que se debruce sobre esses problemas chegará a uma conclusão diferente, avalia Steinbruch, que faz um alerta: “É o que precisa ser feito com urgência, não por meio de medidas isoladas, e sim como política sistemática, porque a ameaça do desemprego já bate à porta”.

Para acessar o artigo na íntegra, acesse o site do jornal Folha de S.Paulo (conteúdo sujeito a Pay-pal ou cadastro no site).