imagem google

Argentina Hoy traz obras inéditas no Brasil de 33 artistas

Em cartaz até 30 de agosto no Centro Cultural BB SP, exposição apresenta panorama abrangente da arte contemporânea daquele país

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542173149


RES y Constanza Piaggio –

A Dama

– 2005

No lugar do arminho, uma cabeça de porco; na mão, um sexto dedo; na expressão, um olhar tenso, como a desafiar o espectador. É “A Dama”, de RES y Constanza Piaggio, que “recria” a famosa pintura renascentista de Leonardo da Vinci, Dama com Arminho, onde a mulher exibia a elegância da época, acariciando o animal, em pleno estado de paz.

Esta é uma das 63 obras de grandes dimensões e impacto que fazem parte de Argentina Hoy, exposição que apresenta um panorama abrangente da arte contemporânea daquele país, reunindo trabalhos inéditos no Brasil, de 33 artistas, entre os quais Jorge Macchi, Marina de Caro e Leandro Erlich, já consagrados internacionalmente.

Argentina Hoy é a primeira mostra realizada no exterior completamente dedicada à arte plástica contemporânea argentina. Segundo Marlise Jozami, a “exposição coincide com a ideia de que a cultura é a melhor forma de aproximar o Brasil dos seus parceiros econômicos e políticos”. 

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542173149

A mostra tem curadoria binacional: o brasileiro Franklin Espath Pedroso, participante da seleção de galerias da ArteBA, Feira de Buenos Aires, e a argentina Adriana Rosenberg, diretora da Fundação Proa em Buenos Aires, responsável pela participação argentina nas bienais de Veneza, São Paulo e Mercosul.

A exposição – cujas obras selecionadas foram produzidas a partir do ano 2000 – permanecerá no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) São Paulo de 7 de julho a 30 de agosto, seguindo para o CCBB Rio, onde será exibida de 14 de setembro a 22 de novembro.

Reunindo diferentes linguagens – pintura, escultura, vídeo, fotografia –, a exposição aborda a presença da cidade no olhar dos artistas, em um universo cheio de magia e referência à história da arte, muito presente na Argentina através da representação figurativa.

Dois exemplos emblemáticos são:


  • “O Espinário”, de Sandro Pereira

    , escultura feita com goma, espuma e alfinetes, que faz uma releitura das clássicas esculturas gregas;




  • “La cena”, de Nicola Costantino

    , obra que num primeiro olhar parece apenas ser a imagem de uma grande mesa sobre a qual está uma enorme bandeja com restos de um jantar, tendo ao fundo uma porta envidraçada, por onde vislumbra-se a luminosidade da noite que se aproxima. Aos poucos, no entanto, “a foto se abre” exibindo à mesa, sobre a enorme bandeja, o corpo nu da artista.

    A herança da corrente pictórica figurativa argentina também está presente nas obras de jovens artistas como Mariana López e Max Gómez Canle.

    A cidade como inspiração manifesta-se claramente nas obras de Esteban Pastorino, que através da lente fotográfica distorce o presente transformando a realidade em falsas “maquetes”; e Dino Bruzzone, que remete ao universo irreal cenas de manifestações populares argentinas, como as do futebol.

    Jorge Macchi busca na imagem de uma orquestra salientar a importância da música na cultura de seu país, enquanto outros como Pablo Siquier, encontram na arquitetura a inspiração para as linhas de seus plotters gigantes.

    Fragmentos da memória fantástica e referências de contos de fadas estão presentes nos trabalhos de Flavia Da Rin, que reproduz o cenário de uma selva, com personagens distorcidos e animais (“Nina com Perro”), assim como na obra produzida in si tu de Marina de Caro, que induz o expectador a introduzir-se num mundo de cores e lembranças de infância.

    Leandro Erlich, Mariano Molina, Leandro Tartaglia e Leila Tschopp estão desenvolvendo obras especialmente para o espaço da mostra.

    O Filme “O Artista” completa a exposição. Ele será exibido na noite da abertura, e faz uma análise sobre o mundo da arte, seus jogadores e a tênue linha entre o que é arte e o que não é. Inédito no Brasil, foi produzido por León Ferrari, último grande premio de Veneza, Fernando Sokolowicz e a Universidade Nacional de Três de Fevereiro.


    Serviço:

    Argentina Hoy


    Período: de 6 de julho a 30 de agosto de 2009

    Horário: terça a domingo, das 10h às 20h

    Local: Centro Cultural Banco do Brasil

    Rua Álvares Penteado, 112, Centro, São Paulo

    Informações: tels. (11) 3113-3651 / 3652


    www.bb.com.br/cultura


    Entrada gratuita