Aplicativo que conecta ciclistas é um dos vencedores do 4º Hackathon - FIESP

Aplicativo que conecta ciclistas é um dos vencedores do 4º Hackathon

Projetos para doação a instituições e locação de máquinas ociosas também venceram nas categorias cadeia produtiva e social

Alice Assunção e Amanda Viana, Agência Indusnet Fiesp

Ciclistas que podem se comunicar pelo celular para pedir ou oferecer ajuda para pequenos reparos, pedir socorro ou acionar a polícia. Esse é o aplicativo ConnectBiker, um dos vencedores nesta segunda-feira (24/8) da quarta edição do Hackathon, organizado pelo Comitê Acelera Fiesp (CAF) no último final de semana.

Este ano, o torneio premiou as melhores soluções tecnológicas em três categorias: consumidor final (iniciativas voltadas diretamente para o usuário), cadeia produtiva (iniciativas que otimizem processos produtivos) e social (iniciativas que tragam avanços sociais, públicos, governamentais ou no terceiro setor).

Na cadeia produtiva, venceu o aplicativo IOTility, desenvolvido por Rodrigo Gabriel Piris, Bruno Gellert, Mario Sergio Melo, Diego Remus e Erivelto Ribeiro. A ferramenta monitora o nível de utilização do maquinário das empresas conectadas ao aplicativo e indica instalações com capacidade ociosa disponíveis para fábricas que estão com excedente de demanda e falta de máquinas.

Criadores do aplicativo IOTility e Paulo Skaf (centro) na premiação do 4o Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Criadores do aplicativo IOTility e Paulo Skaf (centro) na premiação do 4º Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

“Tem muita fábrica parada perdendo dinheiro. Unir quem tem capacidade demais e de menos, essa é a tese da IOT”, disse o representante da equipe, Diego Remus.

No segmento social, vitória para a equipe responsável pelo aplicativo Bem Infinito. Alexandre Capozzoli, Luan Fagundes, Karoline Harumi, Bruna Gomes e Carla Real Amorim desenvolveram um serviço de doações online que pode ser incorporado a sites de compras. Neste caso, o consumidor, antes de finalizar a sua compra, pode, por meio de um botão, doar algum item de higiene pessoal ou alimento para entidades como o Grupo de Apoio à Criança e ao Adolescente com Câncer (Graac).

“Esse modelo é replicável para outras áreas. Aproxima os doadores das instituições”, afirmou Bruna Gomes da Silva, representante do grupo.

Os vencedores foram anunciados pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Na ocasião, ele sugeriu um encontro com investidores e instituições financeiras para viabilizar não apenas os três projetos vencedores, mas os nove finalistas e os outros 40 semifinalistas.

“Todos estão de parabéns. Vamos nos esforçar, seja por bancos ou investidores, para fazer um encontro”, disse Skaf. “Agradeço a todos vocês por terem participado. Nesse momento delicado que o país enfrenta, a gente tem uma agenda positiva”, completou.

Criadores do aplicativo Bem Infinito, de doações, após receber prêmio na categoria cadeia social do 4o Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Criadores do aplicativo Bem Infinito, de doações, após receber prêmio na categoria cadeia social do 4º Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Ciclistas conectados

Criado por Guilherme Gonzalez, Ricardo Marques De Féo, Luan Almeida, Bruno Ribeiro dos Santos e Maria Consuelo Sá Sonnewend, o ConnectBiker é um aplicativo pelo qual o ciclista pode, por um botão de pânico, pedir socorro diretamente para o Samu ou para a Polícia Militar.

Atentos ao crescimento do movimento ciclístico e aos problemas de mobilidade urbana, os criadores do aplicativo buscam uma forma de conectar os ciclistas, mas que também propõe uma forma de ajuda mútua.

“A quantidade de ciclistas que está indo para as ruas é fabulosa, por isso, nós propomos que o aplicativo coloque o ciclista como ajuda a outro ciclista que está precisando, seja para pneus furados ou acidentes”, disse Ricardo Marques De Féo, integrante da equipe vencedora na categoria social.

Criadores do aplicativo ConnectBiker recebem prêmio pela categoria consumidor final. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Criadores do aplicativo ConnectBiker recebem prêmio pela categoria consumidor final. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

Também é possível, pelo aplicativo, disponibilizar e alugar espaços em garagens ociosas para bicicletários.

“Caso não ganhasse, tínhamos a ideia de, em alguns meses, continuar desenvolvendo o aplicativo e lançá-lo oficialmente. Mas a ideia acabou sendo adiantada”, contou Guilherme Gonzalez, outro integrante.

Vencedores do 4º Hackathon

As equipes que venceram a maratona hacker poderão ganhar um passaporte para o Acelera Startup, competição da Fiesp que revela melhores ideias de startups e atrai investimentos, podendo participar dos pitches sem o processo seletivo. Os 9 finalistas poderão participar da seleção do Acelera Startup, passando diretamente pela primeira fase de seleção.

Entre os prêmios para os participantes das equipes vencedoras, o Twitter vai entregar um bluetooth speaker; a Sendgrid dará créditos por 12 meses para o uso da plataforma de envio de e-mails; o IBTA vai entregar um voucher de crédito para uso nos cursos de MBA; o Lingualeo oferecerá um curso de inglês para startups; a HZI vai proporcionar assessoria contábil por um período de seis meses; o Terras Coelho Advogados vai oferecer assessoria jurídica e a IBM permitirá créditos de uso comercial na plataforma.

Neste ano, para a competição do Hackathon, todos os aplicativos deveriam estar funcionando.

Bruna, do aplicativo Bem Infinito, contou que sua equipe passou a noite em claro para finalizar o projeto. “O nosso deadline eram domingo até as 14h, mas a gente apresentou nosso trabalho às 11h”.

Gabriel O Pensador chega ao Teatro do Sesi-SP para encerrar o 4o Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Gabriel O Pensador chega ao Teatro do Sesi-SP para encerrar o 4º Hackathon. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

A competição começou no sábado (22) e terminou nesta segunda-feira, na sede da Fiesp. Para formar um time do Hackathon as equipes precisam ter cinco integrantes e serem compostas preferencialmente por dois programadores ou desenvolvedores, um comunicador, um designer e um empreendedor.

“A gente sabia que tinha chance, e o protótipo, tanto do hardware como do software, funcionou. e algumas pessoas deram boas ideias de negócio. Inclusive alguns empresários de equipamentos ficaram interessados em conversar com a gente”, disse Diego Remus, um dos autores do aplicativo IOTility, para a cadeia produtiva.

Após a premiação, os participantes do Hackathon ainda aproveitaram um bate-papo e show com o rapper Gabriel O Pensador.