imagem google
Início do conteúdo

A 40 dias da Olimpíada do Conhecimento, alunos do Senai-SP têm treinos intensivo

Competição nacional ocorre de 03 a 07 de setembro, no Expominas, em Belo Horizonte

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp 

Contagem regressiva para a maior competição de educação profissional das Américas, a Olimpíada do Conhecimento.

O torneio chega à oitava edição a partir de 31 de agosto, data da solenidade da abertura, com atividades até 7 de setembro, quando estão programadas as cerimônias de premiação e encerramento, na cidade de Belo Horizonte (MG).

Dos 800 jovens inscritos para a Olimpíada, conforme estimativa dos organizadores, 53 compõem a equipe do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

Inscritos em 48 modalidades, os alunos do Senai-SP estão em treinamento intensivo nessa reta final de preparação. São 12 horas diárias de exercícios nas respectivas unidades, sempre acompanhados por seus técnicos. As atividades incluem dinâmicas motivacionais e de concentração.

Segundo eles, a expectativa é alta, o clima é de ansiedade, mas o sentimento é um só: confiança.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537505956

Competidores do Senai-SP: treinamento e confiança. Da esquerda para a direita: Matheus Prudente Santos, Beatriz Luna Lourenço, Kevin Dantas Chip, Rafael Luis Pereira e Iracema de Arruda Vilalva. Foto: Everton Amaro/Fiesp

É o caso da jovem Beatriz Luna Lourenço, de 17 anos. Aluna da Escola Senai ‘João Martins Coube’, em Bauru, a competidora na modalidade Impressão Offset, admite que a rotina de treinamento é cansativa, mas o objetivo de vencer é ainda maior.

“Estamos treinando bastante, manhã e tarde sem parar para atingir nossos objetivos”, explica Beatriz. “As expectativas são as maiores possíveis, mas eu estou tranquila em relação à competição porque o treino que está sendo realizado nos passa muita confiança.˜

Com Kevin Dantas Chip, 18, não é diferente. “Estou ansioso, mas o preparo que fazemos diariamente é importante porque a gente se prepara tanto para aquilo, que na hora ‘H’, não sentimos tanto a pressão”, explica o aluno da Escola Senai ‘Suiço-Brasileira’, de Santo Amaro, na capital paulista, que irá competir na modalidade Webdesign.

“Chego às 08h da manhã e treino até às 20h, porque há uma série de detalhes importantes para serem acertados, como a questão do tempo de prova, por exemplo, que exige uma série de repetições”, diz Chip.

O maior desafio, segundo ele, é ser rápido e certeiro ao mesmo tempo. “Isso é algo que você só consegue adquirir com o treino. Por isso somos estimulados a sempre treinar mais, incluindo aos sábados e feriados”.

No entanto, Chip não enxerga isso como um sacrifício. “Todos temos um objetivo comum, que é ganhar a medalha de ouro. Então, focamos nisso”, explica.

Colega da mesma escola, Matheus Prudente Santos, 17, compete na modalidade TI, Administração e Sistemas de Rede e também está com a expectativa alta. “Tenho me dedicado aos treinamentos todos os dias, nos últimos dois anos. Fico ansioso mesmo, mas supero isso com o próprio treinamento, que me dá certeza de que vou chegar na minha meta e conseguir a medalha de ouro”, afirma.

Longe de casa

Iracema de Arruda Vilalva, 19, da Escola Senai “José Polizotto”, de Marília, competidora na modalidade Panificação, já havia participado do torneio em 2011, mas não teve sucesso justamente pela falta de treino.

“Eu participei só para conhecer, porque comecei a treinar apenas um mês antes e isso não é suficiente perante à grandiosidade do evento”, afirma a aluna que passou os últimos dois anos se aperfeiçoando na categoria em que escolheu para defender sua escola.

A rotina de treinamento de Iracema é ainda mais puxada, já que ela mora em Marília e, nesta reta final, está se aperfeiçoando na capital paulista, a aproximadamente 370 quilômetros de casa.

Mas, para ela, o que importa é o sucesso no resultado. “Nossa rotina de treinamento é intensa e o objetivo é trabalhar em cima dos erros para minimizar a porcentagem deles. Treinamos com todas as possibilidades e alternativas que podem ter para saber trabalhar com as adversidades de todas as situações na hora da prova”, explica.

“Fazer parte da Olimpíada do Conhecimento é uma responsabilidade muito grande, pois estamos representando a nossa escola e o nosso Estado. Mas em função do treinamento, chegamos lá sabendo que podemos dar o nosso melhor”, conta.

Rafael Luis Pereira, 19, da Escola ˜João Martins Coube˜, de Bauru, espera conseguir o melhor resultado possível na modalidade Confeitaria. “Durante meu treinamento, eu foco nas minhas maiores dificuldades, para transformar isso em desafios e vencer esse obstáculo”, afirma o aluno, que tem nos critérios de avaliação os parâmetros para se aperfeiçoar.

Para Pereira, o sentimento é de gratidão. “Apesar de todo sacrifício, no final, eu sei que estou fazendo o que eu amo. Para mim, isso é gratificante.”

A competição

A cada edição bienal, a Olimpíada do Conhecimento ganha dimensões ainda maiores, conforme cresce o interesse dos jovens e o empenho das escolas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Atualmente, o número participantes representa seis vezes o número da primeira edição, realizada em 2001, em Brasília, com 111 competidores; e o número de ocupações profissionais no torneio aumentou de 26, em 2011, para 58, em 2014.

A Olimpíada do Conhecimento é uma forma de avaliar a qualidade da educação oferecida pelo Senai. O desempenho na competição forma um conjunto de indicadores que apontam tendências tecnológicas e mudanças nos perfis profissionais que orientam o Senai na atualização dos currículos nas escolas.

Além disso, os estudantes ganham a chance de representar o Brasil no WorldSkills, competição mundial de competência profissional, que também acontece a cada dois anos e terá sua próxima edição em agosto de 2015, na cidade de São Paulo.