36 motivos para amar o prédio da Fiesp

Sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo completa 36 anos nesta quinta-feira (27/08). Marco da arquitetura paulistana, construção tem razões de sobra para ser admirada

Isabela Barros

De longe, de perto, da calçada, de uma de suas varandas. Não importa o ângulo: de onde quer que se olhe, o prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista, é sempre uma referência. E isso não somente pelo formato, em forma de pirâmide, todo revestido de alumínio, mas, principalmente, por tudo o que acontece, todos os dias, em seus 25 andares.

Daqui, decisões que ajudam a melhorar a vida dos paulistas e dos brasileiros são tomadas. E muito é feito em nome da economia, educação, lazer, cultura e esporte.

Abaixo, 36 motivos para admirar o edifício, que completa 36 anos nesta quinta-feira (27/08):

1. É uma das construções mais originais da maior cidade do Brasil. Não à toa um cartão postal obrigatório nas filmagens feitas na Avenida Paulista.

2. Aqui há programação cultural gratuita da melhor qualidade no Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso, do qual faz parte o Teatro do Sesi-SP, o Espaço Mezanino e a área para exposições. Para conferir a programação, é só clicar aqui.

3. Projetado numa época marcada por grandes incêndios em São Paulo, como os do Andraus, em 1972, e o do Joelma, em 1974, a sede da Fiesp tem segurança reforçada em relação a esse tipo de ocorrência. De acordo com o gerente de Serviços de Manutenção da entidade, Alberto Batista Passos, a construção possui duas escadas de rota de fuga isoladas do chamado conjunto administrativo, onde ficam as salas.

4. Dizem os funcionários que o formato de pirâmide atrai boas energias.

O prédio da Fiesp foi projetado pelo arquiteto Rino Levi. Foto: Everton Amaro/Fiesp

5. Super modernos, os elevadores usados no edifício operam com uma velocidade de quatro metros por segundo, levando apenas 17,5 segundos para percorrer todos os andares.

6. Com 92 metros de altura, o prédio foi projetado por Rino Levi.

7. Outro arquiteto estrelado deixou a sua marca na construção: Paulo Mendes da Rocha. Vencedor do prêmio Pritzker, um dos mais importantes da área em todo o mundo, Mendes da Rocha foi o autor do projeto que construiu o mezanino onde hoje funciona a Galeria do Sesi-SP. A obra foi feita em 1998.

8. Quer mais? Ninguém menos que Roberto Burle Marx, arquiteto e paisagista, assinou um mosaico de 515,68 metros quadrados que fica na parte de trás do prédio, sendo visto pela Alameda Santos. Falecido em 1994, Burle Marx fez o trabalho em parceria com o também arquiteto e paisagista Haruyoshi Ono.

9. Todos os dias, 3 mil pessoas, em média, circulam por aqui.

10. Além da Fiesp, o edifício é sede do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e de diversos sindicatos ligados à indústria.

11. É das salas do prédio da Fiesp que saem estudos que são referência para o setor manufatureiro, como o Índice de Nível de Atividade (INA) e o Nível de Emprego, divulgados todos os meses.

12. Aqui está o Centro de Processamento de Dados do Sesi-SP, que gerencia todas as escolas da rede no estado.

13. Em cada andar há uma varanda onde é possível ver a Paulista e espairecer um pouco.

A sacada de um dos andares do edifício: respiro para ver a Paulista. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

14. O programa Meu Novo Mundo, de qualificação, treinamento e inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, foi idealizado aqui, numa parceria entre a Fiesp, Sesi-SP e Senai-SP.

15.  Até junho de 2015, o Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso recebeu um público de 156.230 pessoas em suas exposições.

16. Para o segundo semestre, está programada e mostra Carne Valle – Imaginário Carnavalesco na Cultura Brasileira. 

17. A exposição Leonardo da Vinci: A Natureza da Invenção foi a campeã de público em 2015, com 210.282 visitantes.

A exposição sobre Leonardo da Vinci: recorde de público na programação em 2015. Foto: Tamna Waqued/Fiesp

 

18. Também um sucesso, o musical A Madrinha Embriagada, exibido em 2013 e 2014 no Teatro do Sesi-SP, teve um público de 134.931 pessoas em suas 325 apresentações.

Teatro do Sesi-SP lotado durante apresentação de "A Madrinha Embriagada". Foto: Julia Moraes/Fiesp

 

19. Outro campeão de bilheteria, O Homem de La Mancha teve 121.135 espectadores em 276 apresentações entre setembro de 2014 e junho de 2015.

Cena de "O Homem de La Mancha": 121.135 espectadores em 276 apresentações. Foto: Beto Moussali/Fiesp

 

20. Maior tela da cidade, a Galeria de Arte Digital do Sesi-SP consiste na fachada do prédio.

A Galeria de Arte Digital do Sesi-SP: a maior tela da cidade. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

21. O espaço para projeções digitais já recebeu duas mostras e receberá mais uma em 2015.

22. Numa delas, a Natureza Urbana – Riscos e Traços, o artista Toni D’Agostinho fez caricaturas dos passantes, que viram os seus desenhos projetados na construção.

23. O Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso recebeu, no Teatro do Sesi-SP e demais espaços cênicos, 13 peças que, juntas, tiveram 656 apresentações e um público de 207.285 pessoas. Isso em 2014 e até junho de 2015.

24. Em 2015, até o mês de junho, 27. 136 alunos e participantes de grupos das escolas do Sesi-SP visitaram o Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso.

25. A programação cultural da casa vai ferver no segundo semestre de 2015, com novas temporadas dos maiores sucessos exibidos no Teatro do Sesi-SP.

26. Entre elas, estão produções premiadas como Lampião e Lancelote e Mistero Buffo. Para saber mais, é só clicar aqui.

27. O projeto Quartas Musicais, com shows às quartas-feiras, às 20h, no Teatro do Sesi-SP, também está de volta no segundo semestre de 2015. E terá atrações como Pedro Mariano e Jaques Morelenbaum em setembro.

28. Relaxar na calçada do prédio vendo o movimento da Paulista é sempre um bom programa.

29. Da calçada da construção, aliás, a sensação é a de estar dentro do prédio, que “abraça” a avenida mais famosa de São Paulo.

30. Trabalham no edifício mais de 2 mil pessoas que se dedicam às causas e realizações da indústria de São Paulo.

31. Nove tanques armazenam água da chuva para a limpeza das áreas comuns. A capacidade de armazenamento é de 75 mil litros.

32. E por falar em água, campanhas internas com funcionários resultaram numa economia mensal de 30% no consumo.

33. Os empresários têm acesso a serviços diversos no primeiro subsolo do edifício, como um posto de atendimento da Receita Federal e outro da Junta Comercial do Estado de São Paulo.

34. O uso de bicicletas entre os funcionários é estimulado com 20 vagas para estacionamento. Com o aumento no número de ciclovias em São Paulo, a quantidade de vagas será ampliada.

35. Em média, 26% do lixo produzido no prédio é reciclado.

36. Ter metrô literalmente na porta, no caso a estação Trianon-Masp, da Linha 2 Verde, é um luxo.