Entrevista: Sara Watson fala sobre a Primeira Infância

Diretora da ReadyNation esteve no Brasil e falou sobre a importância da primeira infância em evento da Fiesp

Por Isabela Barros (com colaboração de Karen Pegorari Silveira)

Não há um período mais crítico para o desenvolvimento de uma criança do que os primeiros mil dias de vida. Ainda assim, apenas 15 países – incluindo Cuba, França, Portugal, Rússia e Suécia – adotam as três políticas fundamentais para apoiar o desenvolvimento saudável do cérebro das crianças, segundo o relatório Early Moments Matter for Every Child, publicado pelas Nações Unidas.

Nossa entrevistada Sara Watson, diretora da organização americana ReadyNation, comenta sobre este e outros dados, e alerta que apoiar a primeira infância tem implicações em toda a sociedade, por isso, se queremos que as crianças se tornem profissionais de sucesso ou consumidores, tudo começa nos primeiros cinco anos de vida.

Leia mais na integra da entrevista:

O fácil acesso aos cuidados infantis essenciais é primordial para a estabilidade da força de trabalho hoje e para moldar a qualidade da força de trabalho do futuro. Um relatório da ReadyNation demonstra a importância de assegurar que bons programas para a primeira infância estejam disponíveis para ajudar as crianças no estágio mais fundamental de seu desenvolvimento cerebral – do nascimento até os 5 anos – para estabelecer uma base para o sucesso na escola, nas carreiras e além. Sendo assim, quais seriam os cuidados essenciais que formam um adulto forte e produtivo?

Sara Watson – Crianças precisam de uma série de cuidados em seus primeiros anos para que o seu cérebro e o seu corpo possam se desenvolver. Precisamos pensar em três categorias: uma boa família, educação e cuidados de saúde e nutrição. Crianças podem aprender a partir do minuto em que nascem. Pais podem ler desde o primeiro dia, oferecer bons cuidados de saúde, nutrição, atenção.

Segundo outro relatório da ReadyNation Illinois um em cada sete entrevistados relatou que problemas de cuidados com a criança levaram alguém de sua família a deixar ou mudar de emprego. Outro estudo constatou que os pais que têm problemas de cuidado infantil acabam tirando uma média de cinco a nove dias de folga do trabalho, anualmente, para lidar com esses desafios. Esse estudo colocou um preço de US $ 3 bilhões em perda de produtividade dos empregadores americanos. Em sua opinião, quais ações o empresariado poderia tomar para evitar uma perda tão significativa como esta?

Sara Watson – Empresas podem adotar uma série de ações para ajudar os seus empregados, assim como outras pessoas da comunidade.

Assim, podem permitir que os pais se ausentem para cuidar dos filhos, apoiar a amamentação para ajudar as novas mães, oferecer jornadas de trabalho flexíveis para mães e pais, suporte para os cuidados com os filhos. E também ajudar oferecendo informações aos seus empregados sobre cuidados na infância, suporte financeiro para ajudar a pagar pelos cuidados necessários. É preciso destacar mensagens da importância da infância entre os empregados. Nos Estados Unidos, são usados recursos como newsletters e canais para dar informação sobre os primeiros anos. É preciso falar da importância das consultas médicas, de ler, cantar, tocar e interagir com os pequenos.

Pode citar alguns exemplos?

Sara Watson – A Home Depot, de varejo, nos Estados Unidos, disponibiliza informações em sua intranet sobre a importância de ler para as crianças.  Quinze minutos de leitura por dia já faz diferença nas habilidades de leitura no futuro.

Temos nos Estados Unidos empresas que disponibilizam informação sobre a primeira infância em seus produtos, em pacotes de macarrão, nas lojas, nas redes sociais. Tudo para dizer aos pais quão importantes os primeiros anos são.

A senhora conhece algum bom exemplo no Brasil para citar?

Sara Watson – Não conheço o Brasil tão bem para isso, mas uma companhia global com escritório aqui, que é a consultoria KPMG, tem nos Estados Unidos em muitos escritórios, o programa Família pela leitura, que promove o hábito entre as crianças, distribui livros.

Segundo pesquisa da Ready Nation, mais de 60% dos executivos dizem ser mais fácil encontrar profissionais com habilidades técnicas do que emocionais. Como é possível mudar isso?

Sara Watson – As pessoas agora entendem que existe uma relação entre a primeira infância e o desenvolvimento das habilidades emocionais na vida adulta. As empresas precisam de empregados que saibam ler mapas, mas que também tenham condições de resolver problemas, relacionar-se com outras pessoas, seguir adiante apesar das dificuldades.

Dar as crianças boa nutrição e educação, pais atenciosos, que acolhem quando ela chora, é uma forma de formar adultos confiantes no futuro.

Você costuma dizer que para ter uma economia em expansão, basta investir em crianças. Este conceito também se aplicaria para um negócio em expansão? Neste caso, por que uma empresa deveria investir no bem-estar infantil como estratégia de negócio?

Sara Watson – Apoiar a primeira infância tem implicações em toda a sociedade. Se queremos que as crianças se tornem profissionais de sucesso, que possam fazer suas empresas bem-sucedidas, se tornem empreendedores, consumidores que possam comprar seus produtos, tudo começa nos primeiros cinco anos. O cérebro se desenvolve até os 20 anos, mas 90% do desenvolvimento cerebral ocorre até os cinco anos. Ou seja, é mais do que em qualquer outra etapa da vida.