imagem google

INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: ITAIPU – NOVAS ENERGIAS


Usina incentiva o aproveitamento de fontes renováveis de energia, em especial o biogás, como uma das iniciativas voltadas ao Desenvolvimento Sustentável

Crédito foto: Alexandre Marchetti

Por Karen Pegorari Silveira

Adotar tecnologias e processos industriais limpos e ambientalmente corretos é uma das submetas do Objetivo 9 para o Desenvolvimento Sustentável, para isso, a Itaipu Binacional adotou o aproveitamento de fontes renováveis de energia, em especial o biogás produzido a partir de dejetos da agropecuária, agroindústria e esgotos urbanos.

A atuação da Itaipu nesse campo, iniciada em 2008, resultou na criação do CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis–Biogás), uma instituição científica, tecnológica e de inovação, formada por 17 instituições que desenvolvem e/ou apoiam projetos relacionados às energias renováveis.

O Centro é responsável por projetos de implantação, monitoramento e melhorias em sistemas de produção de biogás em 11 unidades de produção no oeste do Estado do Paraná. Os sistemas foram instalados em amidonarias (indústria que produz alimentos com amido), pequenas e médias propriedades rurais, cooperativas, granjas e empresas que transformam dejetos de animais ou resíduos industriais em eletricidade, energia térmica e biocombustível, podendo ainda ser obtido biofertilizante de todo esse processo. As unidades comprovam a viabilidade técnica e econômica do biogás.

O laboratório do CIBiogás, que realiza os ensaios de análise do potencial do biogás, compartilha o conhecimento desenvolvido no setor com cursos na modalidade Ensino a Distância em Português, Inglês e Espanhol.

Segundo levantamento da empresa, os cursos já atenderam, até o momento, 1.148 alunos de 26 países, especialmente da América Latina e da África, como Argélia, África do Sul, Burkina Faso, Cabo Verde, Ghana, Ilhas Maurício, Moçambique e Senegal, com destaque no continente africano, onde a maioria dos países ainda não conta com serviços de energias térmica e elétrica com uma cobertura satisfatória e o carvão e a lenha constituem as principais fontes energéticas. Daí a importância do biogás como alternativa para a geração de energia.

O biocombustível, produzido na Granja Haacke, é comprimido em cilindros e transportado até um posto de abastecimento na Itaipu Binacional. A frota de veículos da Itaipu encerrou 2016 com 59 veículos movidos a biometano, um aumento de 37% em relação ao ano anterior.

Existe ainda o projeto UDCIBiogás, que consiste no desenvolvimento de uma planta de biogás com o tratamento de biomassa residual proveniente da poda de grama, resíduos de restaurantes e copas e parte do efluente sanitário gerado no Complexo Itaipu Binacional. O biogás gerado a partir do tratamento desses resíduos será refinado e o biometano oriundo desse refino, utilizado como biocombustível para abastecer parte da frota de veículos da Itaipu Binacional.

Além de gerar combustível verde, o projeto apresenta benefícios como redução no custo com transporte dos resíduos orgânicos gerados nos restaurantes; redução no volume na estação de tratamento de esgoto e o fornecimento de biofertilizante para a manutenção das áreas verdes de Itaipu. A implantação da estrutura está na fase final, com o comissionamento dos equipamentos.

Como resultados são destacados o desenvolvimento do primeiro sistema de geração de energia térmica para o cozimento de alimentos, em substituição à lenha, no Parque Nacional das Quirimbas; a produção de biofertilizante obtido a partir da transformação dos dejetos de animais em biogás, para uso na horta da comunidade; a diversificação da produção de alimentos na região, devido ao uso do biofertilizante, com inclusão de hortaliças na alimentação.

Atualmente, a Itaipu, juntamente com o CI-Biogás, vem discutindo uma nova parceria com a Companhia Paranaense de Energia (Copel) voltada às energias renováveis na área rural. A Copel, por meio do programa Mais Clic Rural, quer investir em melhorias na rede de distribuição.

Segundo o superintendente de Energias Renováveis da Itaipu, Paulo Schmidt, a ideia é combinar esse programa da Copel com o aproveitamento do biogás e de outras fontes renováveis disponíveis na região. “Dessa forma, o produtor, além de receber uma melhor oferta de energia, também terá a oportunidade de melhorar os seus ganhos pela venda de energia e de eliminar problemas ambientais”, afirma Schmidt.

Ainda de acordo com o superintendente outro ponto importante do projeto é o desenvolvimento de uma rede de internet de alta capacidade, que tanto servirá à gestão do novo modelo de rede de distribuição, com núcleos de geração descentralizada, quanto aos produtores e cooperativas em diversas aplicações.

Sobre a Itaipu Binacional

Hoje, a Itaipu tem cerca de vinte unidades geradoras e esta geração de energia pode alcançar o número de 100 bilhões de kW hora. Atualmente a Usina emprega 1.340 funcionários no Brasil e 1.760 no Paraguai. É considerada a segunda maior usina hidroelétrica do mundo, ficando atrás somente da Usina de Três Gargantas na China.