imagem google

Iniciativas Sustentáveis: Fortex – Melhor Desempenho


Esta pequena indústria eletroeletrônica da zona sul de São Paulo contratou refugiados para sua área de produção e percebeu melhora no desempenho geral do grupo. Conheça essa experiência

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542287774

Por Karen Pegorari Silveira

Ajudar as pessoas que tiveram que sair de seus países e se encontram sem perspectivas de uma vida digna foi o principal estímulo para esta empresa de montagem de cabos eletroeletrônicos contratar mão de obra imigrante. Atualmente, a empresa conta com 38 colaboradores, sendo 2 refugiados e com pretensão de contratar mais.

O processo de contratação destes profissionais contou com o auxílio do Programa de Apoio para a Recolocação dos Refugiados (PARR), desenvolvido pela Consultoria EMDOC, que ofereceu opções de candidatos com o perfil solicitado pela empresa para entrevista; o passo seguinte foi escolher o candidato mais adequado à vaga e realizar a contratação.

De acordo com o diretor fabril, Samuel Bazilio da Silva, quando decidiram pela contratação destes profissionais, eles não esperavam uma relação direta com o desenvolvimento do negócio. “Já que eles não seriam contratados para cargos estratégicos da empresa, nossas expectativas se voltaram para o lado humano, de trazer experiências de vida diferentes e que pudessem influenciar positivamente aos demais colaboradores da empresa”, relata o executivo.

Porém, a diretora comercial, Joyce Bisaro Riggio, relata que todos foram surpreendidos. “Eles são profissionais com dedicação diferenciada, talvez, pela oportunidade de poder superar a sua história de vida ou pelo simples fato de serem agradecidos. Num primeiro momento, achamos que eles poderiam ter dificuldades. Depois, tivemos a confirmação que, nós brasileiros, somos realmente um povo aberto, receptivo e disposto a ajudar os estrangeiros. Logo nos primeiros dias, os demais colaboradores já estavam interessados em criar laços de amizade e em saber suas histórias de vida e como era cultura de seus países”, conta.

Como desafio os empresários citam a ambientação entre os colaboradores, já que são culturas diferentes e podem se chocar. Já como benefícios eles enxergam a dedicação e empenho, além da vontade de crescer profissionalmente.

Na área de produção da empresa, para onde estes colaboradores foram contratados, foi possível perceber a melhora no desempenho geral do grupo. “É uma área que necessita de muita concentração e estes colaboradores possuem essa característica. Eles foram colocados em posições estratégicas e o grupo passou a seguir melhor este exemplo”, conta a diretora Joyce.

Na visão da Fortex, a Responsabilidade Social é importante para tornar a empresa um lugar mais ético, transparente e humano. “Tornar a Responsabilidade Social uma prática constante contribui com a valorização de nossa marca e enriquece o prestígio de nosso negócio perante a sociedade”, diz a diretora.

Sobre a Fortex

Fundada em 2011, a Fortex Indústria iniciou suas atividades em um pequeno espaço de 40m² e com apenas 2 funcionários. Logo, o know-how de seus sócios na fabricação de chicotes elétricos e na área comercial posicionaram a empresa entre as mais conhecidas deste mercado. Hoje, a Fortex conta com uma área fabril de 500m², maquinário moderno e 38 colaboradores.