INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: BIOSEV – MULHERES DO AGRONEGÓCIO

Em uma das maiores processadoras de cana-de-açúcar do mundo, mais de mil mulheres ocupam cargos que vão desde as funções agrícolas até a diretoria

 

Por Karen Pegorari Silveira

Um levantamento realizado pela Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócios (ABMRA) aponta que nos últimos dez anos, a presença da mulher no campo saltou de 3% para 10%. Algumas das indústrias ligadas ao agronegócio também tiveram seu quadro de funcionárias ampliado. Na Biosev, por exemplo, mais de 1000 mulheres ocupam cargos nas 11 unidades em todo o Brasil, além do escritório-sede em São Paulo. Desse total, cerca de 11,5% têm funções de liderança (diretora ou superintendente) e 22% atuam em cargos de gerência (ano passado eram 18%).

No Polo de Lagoa da Prata (MG) são 103 mulheres, 40 no setor agrícola, 18 na indústria, nas áreas de laboratório/qualidade são 13, nas áreas de saúde, segurança e meio-ambiente são 12, na área administrativa 7, além de 13 menores aprendizes.

Essa preocupação surgiu após um diagnóstico sobre diversidade e fez a empresa criar um grupo multidisciplinar de trabalho sobre o tema a fim de levantar o contexto da empresa no que diz respeito à atração e à retenção de talentos com esse perfil. De acordo com informações da empresa, as diretrizes levantadas estão sendo trabalhadas com o objetivo de promover a igualdade de gênero.

Silvanira Souza está há quase 8 anos na empresa, e começou na Biosev como auxiliar agrícola. Em três anos passou a exercer a função de fiscal agrícola no plantio mecanizado no Polo MS (unidades Passa Tempo, Rio Brilhante e Maracaju). Desde 2013, atua como líder de Desenvolvimento Agronômico, sendo responsável pelo controle químico e biológico das pragas e por rotinas administrativas como gestão de pessoas.

A alta liderança da unidade Lagoa da Prata (MG) também é de uma mulher. Tania Fernandes, assumiu o cargo de superintendente e em sua gestão a unidade registrou a maior safra da história, com recorde de moagem e produção de açúcar. Além de investir em tecnologia agrícola e realizar uma colheita 100% mecanizada, o trabalho da Tânia também aproximou ainda mais a empresa da comunidade local, por meio de programas sociais e ambientais.

“Acredito que posso inspirar outras mulheres. Quando elas me veem em uma posição estratégica, vislumbram a real possibilidade deste caminho”. Tânia ressalta que não se trata de uma escolha simples e requer algumas renúncias. “Para quem realmente gosta do que faz e deseja fazer a diferença na sua área de atuação, a liderança é muito gratificante”, declara a executiva.

Como reconhecimento pelo esforço da empresa na promoção da igualdade de gênero, o IFC (International Finance Corporation) – instituição membro do Grupo Banco Mundial, convidou a Biosev para participar de um estudo sobre a atuação de mulheres em áreas operacionais agrícolas. A publicação foi divulgada no início de março deste ano e reúne as principais práticas de diferentes setores e países.

Sobre a Biosev

Segunda maior processadora global de cana-de-açúcar, a Biosev produz açúcar, etanol, ração animal, levedura, melaço em pó e energia. Comercializa seus produtos em mais de 30 países na América do Norte, América do Sul, África, Europa, Ásia e Oriente Médio. Tem capacidade de produzir 1,6 milhão de metros cúbicos de etanol e exportar até 1.346 GWh de energia elétrica proveniente de biomassa.